sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Ampulheta



Estou a ficar sem tempo



Estendo te minha mão



Pedindo teu tempo.



A cumplícidade quente



De gestos e toques amacia



O vazio da falta de tempo.



Guardamos sem mistério



Sem pressas num mundo



Sem nome por descobrir



Súplicando que o tempo não passe.





José





( foto de olhares.com