domingo, 19 de outubro de 2008

Roleta Russa


Quando o vício reclama corro ao teu encontro, tiro os sapatos e meias, alivio o nó da gravata, caminho pelo pequeno deserto que nos separa.
Beijas meus pés como uma gueixa, ofereces a paz a este corpo cansado, sinto a tua frieza ao mesmo tempo a paixão que sinto por ti.
Passeio ao longo do teu corpo trocando carícias em sussurro chamas por mim, reclamas meu corpo, vou resistindo o mais que posso, em clara provocação lanças me salpicos de beijos com tua dança sensual do beija e foge.
Aos poucos a coragem de recusar teu convite sedutor ganha força, sinto que ainda não está na hora do teu abraço mortal.
Deixo te por hoje dar o último beijo.

Um dia talvez.

Quem sabe.


José


( foto de olhares .com )

8 comentários:

Morgana disse...

Vim dar uma espreitadela e gostei muito destes hinos à mulher, destes laivos de realidade, gostei principalmente da "Roleta Russa"...e entendi em mim...antes não entendesse!!

Beijo

Secreta disse...

Um dia ... tlv , mais forte do que qualquer outro querer...

O Fantasma e o Anjo disse...

Beijo e abraço

Twlwyth disse...

Boa sorte no jogo da paixão.

Beijo

Brain disse...

G R A N D E José!!!!!

Excelente!

Um Abraço.

Paula disse...

Poema com força de sentimentos!

Sinto que às vezes vivemos todos numa autêntica roleta russa...a vida é sempre uma incerteza...é o que temos de mais certo.

Anónimo disse...

Com vista a dar “voz” aos novos autores, o Portal Lisboa estabeleceu uma iniciativa única, no campo da criação literária portuguesa.

Neste sentido, o Portal Lisboa vai apadrinhar duas colectâneas literárias, uma de Poesia e outra de Contos Literários, a serem editadas pela Chiado Editora.

Gostava de ver os seus textos publicados por uma editora de prestígio? Tem aqui a sua oportunidade!

Descubra mais no site: www.portallisboa.net

Anónimo disse...

Muito Bom ;)