segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Murmúrios

A voz abafada da imensidão da noite.

Reclama te.

Sente teu cheiro.

Quer tua carne.

Queres fugir ao seu encontro.

És como um poema vadio.

Embalado pelas palavras.

Cruéis sem destino.

De corpo nú sem defesas.

Pedes me a prisão.

Da tua falsa liberdade.

Serei eu voz das tuas noites ?


José


( foto de olhares.com )

5 comentários:

Som do Silêncio disse...

Grande Poeta!

Não podia deixar o ano acabar sem te desejar um excelente 2009!

Bjs,
Som

Anónimo disse...

meu poeta do norte,

gostei do teu poema...continua a dar voz à alma!


Beijinhos
miúda

Miúda disse...

Olá meu poeta do Norte

Continua assim a dar voz à tua alma, parabéns pelo poema.

Beijinhos,

Miúda

ervadecheiro disse...

Gosto dos teus poemas.
Obrigada pela partilha.
Um beijo

célia disse...

lindos poemas!!!
beijinho