sexta-feira, 13 de abril de 2007

Feliz...Encontro...Fatal


Acordo estou vivo! Está ausente o meu inchaço matinal.~
Já morreu há muito esta parte de mim.

Olho e vejo:

O sinal da foice negra
Maldita e perversa
Há espera de dar
O golpe fatal.

Arrasto esta carcaça velha em direcção da imunda sanita do prazer, minha mente defecta sexos desconhecidos que em tempos possui, sexos que para mim sempre foram como ruas sem nome.

Olho e vejo:

O sinal da foice negra
Maldita e perversa
Há espera de dar
O golpe fatal.

Acendo um cigarro. Será o último? Não sei nem quero saber.
Como é paciente a paz verdadeira desta espera.

Olho e vejo:

O sinal da foice negra
Maldita e perversa
Há espera de dar
O golpe fatal.




José



( foto de João Viegas )


12 comentários:

agua disse...

inexplicavelmente há paz nessa espera...o que nem sempre temos durante o percurso..

Trebor disse...

Realista qb.!

A vida de muitos sem abrigo, sem outras coisas...

"Há espera" ou... "à espera"? (confusão com o verbo haver.)

Abraço.

Menina do Rio disse...

Visita breve pra dizer que não vos esqueci
e deixarmeu beijo carinhoso

Na impossibilidade de escrever por estes dias, postei
o poema de uma amiga que veio bem a calhar...

Desejo-te uma ótima semana!

Brain disse...

José,

Este post...

Abraço.

Sandra disse...

E a espera continua...sempre...até no fim ...há espera.

Skin on Skin disse...

Que triste fiquei...

Beijokas on skin

impulsos disse...

O teu poema, que acho muito bom, fez-me lembrar algo que um dia escrevi...

Eu vi
Sem nada ver
Senti
Sem querer
Dormi
Sem adormecer
Perdi
Sem nada fazer
Anoiteci
Sem morrer
Morri
Sem saber
E
Nem me despedi...

B. disse...

Simplesmente fantastico... negro, mas romantico... os condimentos certos.

beijo

Som do Silêncio disse...

Olá Poeta que de Falso nada Tens!!!

Adorei o que li!


Beijo Silencioso

.*.magia.*. disse...

Senti a espera,
o abandono à tristeza...

...

Um beijo...

Azul disse...

Olá José!

Tantas são as coisas para além de um cigarro que não sabemos se serão as últimas... mas dizes bem... nem queremos saber... mais vale não saber... Vamos esperando... serenamente...

Um beijo
Azul

leandro amador disse...

Olá José que se diz de falso poeta, mas se assim é falso um dia quando o for imagino como será sua escrita...antes de mais quero dizer que adorei seu poema, pois eu de vez enquando tambem faço assim umas coisinhas, mas quem quiser visitar pode visitar em www.aminhavidaeisto-ldpa.blogspot.com sem mais assunto os meus cumprimentos a todos e em especial ao autor desta obra digna de ser postada...